Jovem é preso por torturar e matar pai por não reconhecer a paternidade em SP

Segundo a Polícia Civil, vítima morreu quase um mês após ter sido torturada e queimada em Registro, no interior paulista.

Suspeito foi capturado em um imóvel na capital paulista — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Acusado foi capturado em um imóvel na capital paulista — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Um jovem de 29 anos foi preso por policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Registro, na região do Vale do Ribeira, no interior de São Paulo. O rapaz é acusado de torturar e matar Jorge Severino da Silva, de 66 anos, por não ter reconhecido a sua paternidade. A informação é do portal G1.

O crime ocorreu no sítio do idoso, em Registro, no dia 28 de outubro de 2019. De acordo com a Polícia Civil, a vítima morava em São Paulo, mas havia viajado sozinho ao local para passar alguns dias. Na data do delito, ele foi encontrado, por vizinhos, após a esposa dele desconfiar que algo poderia ter ocorrido, já que ele não voltou para a Capital na data combinada.

Na época, ele foi encontrado desacordado, com sinais de tortura, além de queimaduras de 3º grau pelo corpo. Os vizinhos acionaram o socorro e ele foi encaminhado para o Hospital Regional de Registro, onde enfermeiros informaram à polícia que um idoso havia dado entrada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave. A partir da notificação, a Polícia Civil deu início às investigações.

Apesar de todo o cuidado e tratamento, quase um mês depois, no dia 22 de novembro, o idoso acabou não resistindo aos ferimentos e morreu. As autoridades continuaram as investigações e começaram a levantar possíveis suspeitos que estiveram no sítio no dia do crime, além de apurar junto a familiares o histórico da vítima e algum conhecido que já havia tido desentendimento com ela.

Ainda conforme a Polícia Civil, durante o levantamento, os investigadores descobriram que Jorge tinha um filho, não registrado e reconhecido por ele, e ambos tinham uma relação conturbada. Diante disso, a polícia conseguiu reunir elementos que pudessem comprovar que o rapaz era acusado do crime, como a comprovação de que ele foi visto no sítio em data próxima ao do crime.

Além disso, outro fato que chamou a atenção da polícia foi que o rapaz ficou morando por algum tempo no Estado do Piauí, logo após o crime que vitimou o idoso. Após reunir todas as provas, o delegado Marcelo Freitas representou pela prisão temporária do acusado e por mandados de busca e apreensão em três imóveis, localizados em São Paulo.

De acordo com informações apuradas pelo G1, policiais da DIG de Registro conseguiram prendê-lo em um dos endereços, na Rua Pirâmide dos Piquês, no bairro Jardim Laranjeiras, na última terça-feira (7). No local, nada de ilícito foi encontrado. Ao ser capturado, ele optou por permanecer em silêncio e foi encaminhado para a cadeia, onde ficará à disposição da Justiça. O G1 tentou entrar em contato com a defesa do acusado mas, até o fechamento desta reportagem, não houve retorno.