‘Fui algemado e levei cassetete na cara’, diz jovem agredido na CPTM

Vídeos mostram seguranças dando uma gravata em jovem de 19 anos na estação Francisco Morato, na linha Rubi. Agentes dão outra versão

Cesar Augusto Souza de Oliveira, de 19 anos, afirma ter sido espancado em "salinha" (Foto: Reprodução Rede Sociais)

Cesar Augusto Souza de Oliveira, de 19 anos, afirma ter sido espancado em "salinha" (Foto: Reprodução Rede Sociais)

Um jovem de 19 anos afirma ter sido duramente espancado por agentes de segurança da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Cesar Augusto Souza de Oliveira estava acompanhado do amigo Weslley Rodrigues Vale Pires, de 20 anos, ao lado da estação Francisco Mourato, na linha 7-Rubi, na última quinta-feira (2), quando foram acusados de jogar pedras em direção à estação. (Assista abaixo)

Segundo o boletim de ocorrência, a confusão começou por volta das 17h20. Na versão dos agentes, na passagem de nível da plataforma, existe uma cabine que serve como abrigo de chuva para os vigilantes da estação. Em um dos lados há um barranco que dá acesso a uma comunidade. Os jovens estariam neste barranco arremessando pedras contra a cabine.

O policial ferroviário Bernardes Alves da Silva, de 51 anos, teria ido averiguar o que estava acontecendo e relatou que Weslley o agrediu com um soco e que Cesar teria tentado se apossar de sua tonfa – um tipo de bastão usado pelos seguranças para defesa pessoal, segundo relatou no boletim de ocorrência.

Em nota, a CPTM afirma que “quatro pessoas que estavam sentadas em um muro ao lado da estação, começaram a jogar latas, garrafas e pedras na direção da plataforma 2, colocando em risco os passageiros que aguardavam o trem. Agentes de segurança foram acionados e agredidos por duas pessoas”.

Os jovens negam essas versões e afirmam que foram espancados injustamente. Em sua versão, eles confirmam que estavam no barranco com outras pessoas conversando, mas negam terem jogado pedras ou objetos contra a cabine.

Vídeos divulgados nas redes sociais mostram a ação truculenta dos agentes. Nas imagens é possível observar que o jovem é arrastado por um agente da CPTM e dois guardas da empresa Gocil – que presta serviço nas estações. Cesar é levado pelos agentes com uma gravata, mas não aparece sangrando. Já em fotos divulgadas em seu perfil o jovem aparece com o rosto totalmente ensanguentado.

Em sua página, César diz que apenas queria ir embora e que um dos agentes teria dito que estava tudo certo, mas quando ele virou teria levado uma cassetada pelas costas e caído. “O guarda não satisfeito me algemou e me arrastou pra salinha. Dois fardados e mais sete ‘Gocil’ me bateram muito, levei bica na cara, nas costelas. Não pude me defender”, desabafou.

Todos os envolvidos foram levados para o IML (Instituto Médico Legal) para fazer corpo de delito e o caso foi registrado como lesão corporal na delegacia de Franco da Rocha.

*R7.com