Igreja diz que estupro de criança por missionário em SP foi ‘imprevisível’

Igreja Adventista do Sétimo Dia diz que está prestando todo o apoio para a família da vítima e que será mais criteriosa com visitas.

Missionário da Igreja Adventista do Sétimo Dia abuxou sexualmente de criança dentro de uma unidade em Itanhaém (SP) — Foto: Reprodução

Missionário da Igreja Adventista do Sétimo Dia abusou sexualmente de criança dentro de uma unidade em Itanhaém (SP) — Foto: Reprodução

A menina de quatro anos que foi estuprada por um missionário peruano, de 31, dentro de uma igreja em Itanhaém, no litoral de São Paulo, está recebendo acompanhamento psicológico após o ocorrido. Em contato com o portal nesta quarta-feira (12), a Igreja Adventista do Sétimo Dia afirmou que está prestando todo o apoio para a família e disse que a situação foi completamente ‘imprevisível’. A informação é do portal G1

A criança foi abusada sexualmente na manhã de domingo (9), quando estava com a mãe na igreja. Ela foi abordada pelo suspeito dentro de uma sala da unidade e obrigada a tocar em suas partes íntimas. A mãe da menina flagrou o ato e a Polícia Civil foi acionada. O estrangeiro foi preso em flagrante.

Segundo representantes da igreja ouvidos pelo portal, o missionário acusado de estupro participava de um projeto de voluntariado, que envolvia ações particulares e também da igreja, quando o crime ocorreu. Como era estrangeiro, ele estava abrigado na unidade de Itanhaém.

O missionário não costumava ficar sozinho dentro da igreja e, ainda, quando foi flagrado pela mãe da menina, haviam outras pessoas na unidade, explicaram os representantes. Segundo eles, a criança e a mãe estão recebendo todo o apoio psicológico necessário mas, apesar disso, a responsável está muito abalada.

Agora, a igreja busca meios de evitar que situações como essa voltem a acontecer. Desde o crime, os representantes estão discutindo novas formas para reforçar a segurança das pessoas que vão até o local e repensando procedimentos.

“Nunca cedemos nosso espaço para pessoas que não tenham boas referências de conduta ou mesmo que estejam sozinhas. Também não é comum que abriguemos membros ou pessoas de outros templos. Esse foi um caso específico. Esse caso foi totalmente imprevisível”, explicaram ao portal.

“O mais importante é que agora a Igreja Adventista será ainda mais criteriosa com o auxílio às pessoas que nos procuram para receber esse tipo de ajuda”, completaram os representantes da igreja por meio de nota.

Estupro na igreja

Segundo a Polícia Civil, a mãe levou a menina para igreja e, enquanto participava de uma reunião, a criança foi até a Sala Primária, onde são oferecidas aulas infantis, para pegar um brinquedo. Na sala, estava o missionário que era abrigado pela unidade e, quando a menina entrou, de acordo com o registro da ocorrência, o suspeito pegou a mão da criança, colocou em seu órgão genital e começou a movimentar.

A ação foi flagrada pela mãe da menina que, ao notar a ausência da filha, foi até a sala procurá-la. Em depoimento à polícia, a mãe disse que, quando entrou no local, o missionário estava de costas, mas percebeu que ele guardou algo dentro das calças quando ouviu a porta abrir.

Já longe do suspeito, a mãe perguntou para a menina o que tinha acontecido, e a criança confirmou o abuso. Lideranças da igreja foram acionadas e, quando questionado, o peruano confessou o crime. A Polícia Militar foi até o local e o suspeito foi encaminhado à Delegacia Seccional de Itanhaém.

Às autoridades policiais, durante o interrogatório, o peruano confessou que colocou a mão da criança em seu órgão sexual e falou ‘besteiras’ para a menina com conotações sexuais. A vítima foi encaminhada para exame de corpo de delito e o homem foi preso em flagrante por estupro de vulnerável. Ele está detido na Penitenciária de Praia Grande e a Embaixada Peruana no Brasil foi comunicada do ocorrido.