Menina confundida com PM foi morta ao tirar foto durante pega-pega em SP

Testemunha diz que adolescente pode ter sido confundida com PM ao ativar flash da câmera de um celular para tirar uma foto do grupo.

Jovem morreu a caminho de hospital após levar um tiro na cabeça em Santos. — Foto: Reprodução/Facebook

Jovem morreu a caminho de hospital após levar um tiro na cabeça em Santos. — Foto: Reprodução/Facebook

A adolescente morta com um tiro na cabeça ao ligar o flash de um celular para tirar uma foto estava brincando perto da casa onde mora momentos antes do disparo que a matou, de acordo com uma testemunha que estava no local. O crime aconteceu em Santos, no litoral de São Paulo, e a Polícia Civil dará andamento às investigações nesta segunda-feira (3). A informação é do portal G1

Khaylane da Silva Nascimento, de 15 anos, morreu após ter sido alvo de uma rajada de tiros perto de onde mora. Uma testemunha relatou à polícia que a vítima foi confundida com policiais ao ativar o flash da câmera de um celular em uma área considerada perigosa.

Em entrevista ao portal nesta segunda-feira (3), uma testemunha, que prefere não se identificar, contou que a jovem estava brincando com outros adolescentes de pega-pega pela região, quando ela foi tirar uma foto. “Eu moro perto, conhecia ela de vista. Pedi para que ela tirasse uma foto de todo o grupo com um celular”, conta.

De acordo com o relato, a jovem teria ‘dado a cara’ em um dos becos da favela do Caminho São José, no bairro Bom Retiro. “Ela se distanciou da gente para tirar a foto do grupo. Ela deu a cara no beco e aí atiraram. Foi muito rápido, ela já caiu no chão inconsciente”, conta.

Segundo os relatos, foram cerca de seis disparos e apenas um atingiu a adolescente, na região da testa. “Peguei ela no colo e enfiamos no carro de um homem que estava tirando o veículo da garagem. Chamaram a mãe dela e ela foi junto”, diz.

A testemunha diz, ainda, que suspeita que Khaylane tenha sido confundida com policiais ao ativar o flash para tirar a foto do grupo. “Não há possibilidade de ter sido proposital, com intenção de matar ela. Era uma criança, estava brincando na rua”, diz. “Não sabia de nada, não se envolvia com ninguém”.

O vizinho que socorreu a vítima, levando ela e a mãe para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Zona Noroeste contou pelo menos seis disparos, de uma só vez. “Foram seis disparos de uma vez só, uma rajada. Depois, o pessoal começou a gritar na rua”, relatou.

A adolescente chegou à UPA com vida. Ela foi encaminhada para a Santa Casa de Santos, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu no caminho. O velório de Khaylane foi realizado na Beneficência Portuguesa de Santos e o sepultamento no Cemitério Areia Branca, neste domingo (2).

O caso foi registrado na Central de Polícia Judiciária (CPJ) como homicídio simples. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública informou que as investigações estão em andamento pelo 5º DP de Santos.