Suspeito de atear fogo em homem também vive nas ruas e alega briga

Apontado como responsável afirma que teria queimado morador de rua após desentendimento por furto de R$ 10 mil. Polícia questiona versão.

Suspeito de atear fogo em morador de rua na Mooca alega briga por furto (Foto: Reprodução /Record TV)

Suspeito de atear fogo em morador de rua na Mooca alega briga por furto (Foto: Reprodução /Record TV)

O suspeito de matar o morador de rua Carlos Roberto Vieira da Silva, 39 anos, preso pela Polícia Civil na madrugada desta quarta-feira (8), também vive em situação de rua e teria ateado fogo na vítima após um desentendimento por causa de um furto de R$ 10 mil. (Assista abaixo)

De acordo com a Polícia Civil, o suspeito disse que sacou o dinheiro no sábado (4) e foi furtado por Carlos pouco antes do crime. A delegada do 18° DP, Silvana Sentieri Françolin, afirmou que, em um primeiro momento, não acredita na versão do furto porque o valor é muito alto. O caso continua sendo investigado com apoio do 56º DP.

Conforme as investigações, o preso tem 49 anos e vive na rua, entre a região central e a zona leste, há cerca de 25 anos. Ele estava na rua, na região do Cambuci (centro), quando foi abordado pela polícia e não resistiu à prisão. A Justiça determinou a prisão temporária e ele está detido no 18º DP.

Outras informações das apurações e qualificações do suspeito, no entanto, não podem ser fornecidas porque, segundo o delegado da 8ª Seccional, Hélio Bressan, a Lei de Abuso de Autoridade, que entrou em vigor neste ano, limita o fornecimento de informações. “O Estado não teria motivos para esconder, mas respeitamos a lei. Só pode dizer [o nome do suspeito] depois que o Ministério Público denunciar”, disse o delegado.

Pelas imagens, segundo a Polícia Civil, havia ficado a dúvida se o suspeito ateou fogo com a intenção de queimar a vítima ou se foi um acidente ao tentar fazer uma fogueira. No entanto, ainda conforme as informações policiais, com a localização e declaração do suspeito, ficou indicada a intenção de matar, portanto, ele deve ser indiciado por homicídio doloso.

*Com informações do R7