Polícia investiga denúncia de agressão a menino de dois anos

Suspeita é de que criança tenha sido agredida por padrasto enquanto a mãe trabalhava. Caso foi registrado como maus tratos e polícia investiga.

Bebê está internado no hospital Stella Maris em Caraguatatuba — Foto: Arquivo Pessoal

Bebê está internado no hospital Stella Maris em Caraguatatuba — Foto: Arquivo Pessoal

A Polícia Civil investiga uma denúncia de agressão contra um menino de dois anos em Caraguatatuba (SP). A criança está internada com traumatismo craniano e lesões pelo corpo. A polícia foi acionada pelo hospital após constatar que as lesões sofridas não teriam sido causadas por queda da escada, o que era alegado pelo padrasto do menino. O caso foi registrado como maus tratos. As informações são do portal G1.

O caso aconteceu no último sábado (4) quando a mãe, de 24 anos, saiu para trabalhar e deixou a criança com o padrasto. Ao retornar do trabalho, encontrou a criança com vários hematomas pelo corpo e rosto. Segundo a família, o padrasto alegou que ele havia caído da escada e que esperava ela chegar para socorrer o menino.

No hospital, ele foi encaminhado para a Unidade de Tratamento Intensiva (UTI).

De acordo com a família, a vítima teve uma fratura no crânio e um coágulo no cérebro. Segundo a equipe médica, as lesões que o menino apresentava não eram compatíveis com a queda de escada. Por isso, acionou o Conselho Tutelar e o caso foi encaminhado à Polícia Civil.

Na Polícia Civil, o caso foi registrado como maus tratos e os investigadores apuram se houve agressão à criança. O delegado deve intimar o padrasto, de 36 anos, para prestar depoimento.

Segundo a família, a mãe do menino e o padrasto estavam morando juntos há nove meses. O homem trabalha como servente de pedreiro, tem filhos de outro relacionamento e nunca tinha tido comportamentos agressivos.

“Achávamos que ela tinha encontrado uma boa pessoa e que iam se ajeitar na vida juntos. Nunca imaginamos que ele fosse capaz disso”, comentou o tio, Fernando Antonio Júnior.

Procurado, o Conselho Tutelar informou que estão sendo adotadas as medidas necessárias de proteção à criança e as informações estão em segredo de Justiça.