Laudos: mortes em Paraisópolis aconteceram por asfixia mecânica

Exames anexados ao inquérito também informam que vítimas haviam consumido drogas lícitas e ilícitas na noite da tragédia.

REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

Os nove jovens que morreram durante ação da polícia num baile funk em Paraisópolis no domingo, dia 1º de dezembro, foram vítimas de asfixia mecânica indireta, indicam laudos de perícia.

O resultado dos laudos foi noticiado pelo jornal O Globo. Os laudos do Instituto Médico Legal (IML) paulista mostram que os jovens de 14 a 19 anos tiveram seus corpos comprimidos e, por isso, não conseguiram respirar.

Segundo um perito citado pela reportagem, a conclusão é compatível com a versão da Polícia Militar de que os jovens morreram pisoteados durante o tumulto.

O jornal também informou que laudos toxicológicos anexados ao inquérito indicam que os nove jovens consumiram drogas lícitas e ilícitas nas horas que antecederam as mortes. As drogas encontradas no sistema das vítimas são: álcool, maconha, cocaína, drogas sintéticas e voláteis, como o lança perfume.

Os exames apontam que todas as vítimas haviam usado pelo menos uma das seguintes substâncias: álcool, maconha, cocaína, drogas sintéticas e voláteis, como lança perfume e solventes. Em algumas delas, foram detectados mais de um ilícito.

Na noite da última quarta-feira (11/12/2019), médicos legistas do IML se reuniram para discutir se as lesões identificadas nas vítimas eram compatíveis com a tese do pisoteio.

As informações são do Metrópoles.