“Se fosse comigo, seria diferente”, diz Bolsonaro sobre isolamento

Presidente participou de cerimônia de hasteamento da bandeira nacional na manhã desta terça-feira (12) com ministros. No fim, foi abraçado por crianças.

Bolsonaro com máscara durante o hasteamento hoje (Foto: Adriano Machado/Reuters - 12.05.2020)

Bolsonaro com máscara durante o hasteamento hoje (Foto: Adriano Machado/Reuters - 12.05.2020)

O presidente Jair Bolsonaro participou da cerimônia de hasteamento da bandeira nacional na manhã desta terça-feira (12) em Brasília.

Questionado por um apoiador sobre a situação de São Paulo, Bolsonaro disse que adotaria medidas diferentes das atuais.

“Os prefeitos têm que conversar com o João Doria, porque o Supremo deu poderes para ele decidir. Se fosse comigo, seria diferente”, disse.

Bolsonaro fez referência à decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que determina que estados e municípios estão autorizados a definir as regras para o isolamento social e restrição de transporte e trânsito em rodovias durante a pandemia de coronavírus.

O estado de São Paulo prorrogou a quarentena até o dia 31 de maio deste ano. O presidente também disse que é preciso tratar do vírus e da economia ao mesmo tempo. Ao tratar “só de um (assunto), os problemas se avolumam”.

“Eu vejo o jornal meio de ‘de diagonal’, que estamos voltando o país à fome em função disso. Tem que tratar a questão do vírus junto com o emprego. Quando você trata só de um, problemas se avolumam”, explicou.

Além do presidente, alguns ministros estavam presentes à cerimônia, como Paulo Guedes (Economia), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia).

Ao final da cerimônia, Bolsonaro, de máscara, recebeu uma camiseta de pessoas presentes à cerimônia, dançou e foi abraçado por ao menos seis crianças que estavam no local.