Sul-africana é coroada Miss Universo: ‘finalmente mulheres como eu podem saber que são bonitas’

Ao receber a coroa, ela falou sobre preconceito, racismo e machismo.

(VALERIE MACON / AFP)

(VALERIE MACON / AFP)

Após oito anos, o concurso Miss Universo 2019 coroou uma mulher negra. A sul-africana Zozibini Tunzi venceu, neste domingo (8), 88 candidatas ao título. Ao receber a coroa, ela falou sobre preconceito, racismo e machismo.

“É uma honra absoluta representar, como negra e africana, a inclusão e a diversidade”, disse.

O segundo lugar ficou com Madison Anderson, de Porto Rico. Em terceiro ficou a mexicana Sofía Aragón. A brasileira Julia Horta chegou a ficar entre as 20 finalistas, mas não avançou para a rodada final.

A vencedora falou sobre as dificuldades das mulheres negras de se verem bonitas. “A sociedade foi programada durante muito tempo para que não ver a beleza de maneira negra. Mas agora estamos entrando em um tempo em que finalmente as mulheres como eu podem saber que são bonitas”.

Tunzi é a terceira sul-africana a levar o título, após as vitórias de Demi-Leigh Nel-Peters (2017) e Margaret Gardiner (1978), e também a primeira negra a vencer o concurso desde 2011, quando Leila Lopes, de Angola, ganhou no Brasil.

Com informações do Correio.