Palmeiras avança em pesquisa na Holanda, e uso de grama sintética em seu estádio ganha força

Gramado analisado é superior, tecnologicamente, ao usado na Arena da Baixada.

Crescem no Palmeiras as chances de utilizar gramado sintético em sua arena e na Academia de Futebol. O diretor de futebol Alexandre Mattos, na companhia de uma comitiva do clube e da administradora do estádio, visitou três campos de grama sintética nesta terça-feira, na Holanda.

Os gramados analisados foram o do centro de treinamento da seleção holandesa, o do clube Heracles e da GreenField, empresa que produz a grama. O material analisado é de tecnologia superior àquela usada na Arena da Baixada.

Além de Alexandre Mattos, a comitiva é formada por Alexandre Zanotta, vice-presidente do clube, Jomar Ottoni, coordenador de fisioterapia, e um representante da WTorre. A viagem dos palmeirenses para a Europa é um convite da empresa Soccer Grass.

Comitiva do Palmeiras visitou o Heracles, na Holanda — Foto: Divulgação
Comitiva do Palmeiras visitou o Heracles, na Holanda — Foto: Divulgação

Para a Academia de Futebol, a ideia é utilizar grama sintética em um dos três campos. Para a arena, o processo de decisão se dará junto à WTorre, que já se mostrou favorável à utilização.

Os principais motivos para a possível mudança são os constantes shows que são realizados na arena. Com eles, o Palmeiras é obrigado a mandar seus jogos em estádios como o Pacaembu. Além disso, a qualidade do gramado não é boa.

A WTorre arcaria com a substituição na Arena do Verdão, mas por outro lado economizaria em manutenção e entregaria um gramado de melhor qualidade.

Palmeiras visitou o CT da seleção holandesa — Foto: Divulgação
Palmeiras visitou o CT da seleção holandesa — Foto: Divulgação