Mãe impede filho de 2 anos de entrar em casa e é presa por abandono de incapaz

A mulher foi levada à Central de Flagrantes de Parnaíba e foi liberada após pagar fiança. A criança voltou para a casa do pai, que disse que vai cuidar do menino.

Central de Flagrantes em Parnaíba — Foto: Kairo Amaral/TV Clube

Central de Flagrantes em Parnaíba — Foto: Kairo Amaral/TV Clube

Uma mulher foi presa em flagrante acusada de abandonar o filho de dois anos e impedir que ele entrasse em sua casa, nessa quinta-feira (16), em Parnaíba, litoral do Piauí. A mulher foi presa e levada à Central de Flagrantes de Parnaíba e foi liberada após pagar fiança. A criança voltou para a casa do pai, que disse que vai cuidar do menino.

Segundo o delegado Christian Mascarenhas, da Central de Flagrantes, a criança foi encontrada pela Polícia Militar. O menino de 2 anos estava chorando na porta da casa da mãe, que se recusava a abrir a porta para a criança. Então, os policiais levaram a mãe e o menino para a Central de Flagrantes.

Investigação

Segundo a Polícia Civil, a mulher cuida de três filhos maiores, frutos de um relacionamento anterior. Já o menino de 2 anos, que nasceu de um relacionamento recente, vive com o pai em uma casa que fica próxima da casa da mãe.

Durante a manhã dessa quinta-feira (16), o menino havia sido deixado com um tio na casa do pai, mas acabou saindo caminhando com os irmãos para a casa da mãe. “Como o pai mora perto, ele saiu caminhando, acompanhando os irmãos maiores”, contou o delegado.

Ao chegar à casa, a mãe se recusou a abrir a porta para o menino. Diante da situação, vizinhos acionaram a Polícia Militar. O caso foi registrado e enviado para a Delegacia Especializada da Mulher (Deam), que deve investigar se a mãe cometeu o crime de abandono de incapaz.

Conselho Tutelar

De acordo com o Conselho Tutelar de Parnaíba, a mãe e o pai da criança haviam entrado num acordo na quarta-feira (15), dia anterior à prisão. A mãe teria manifestado que não queria ficar com a criança e o pai disse que queria cuidar do filho. Assim, o menino foi levado para a casa do pai.

Entretanto, durante a manhã de quinta-feira (16), quando o pai havia saído para trabalhar em uma frutaria, os irmãos foram até a casa e o menino os acompanhou de volta para a casa da mãe.

Depois que a mãe e a criança foram levados para a delegacia, e o procedimento policial foi instaurado, os conselheiros tutelares levaram o menino de volta para o pai. O Conselho irá realizar um procedimento que oficialize a decisão do pai de ficar com o filho.

“Ele está manifestando que quer ficar com o filho. Vamos fazer disso um documento. Como a criança é registrada no nome dele, ele já pode ficar com o filho. Mas como o Conselho vai acompanhar, vamos aplicar uma medida, um documento que ele assina se comprometendo com a criança”, explicou o conselheiro Regisvaldo Queiroz.

*Agência Brasil