Homem morre em Nova Lima, e sobe para 53 o número de óbitos em MG

Prefeito diz que cidade passa por momentos bastante difíceis.

Divulgação/PMMG

Divulgação/PMMG

Um homem de 45 anos, morador de Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, morreu na noite desta terça-feira (28), quando sua casa desabou devido à força das chuvas que atingem parte da região sudeste desde o último dia 17. Só em Minas Gerais já foram registradas 53 mortes em decorrência dos efeitos das chuvas.

Segundo a prefeitura de Nova Lima, o homem cujo nome não foi divulgado morava no bairro Chácara dos Cristais. No momento em que sua casa ruiu, chovia muito em toda a cidade, o que causou alagamentos e deslizamentos de terras em vários pontos da cidade. Atingida pelas águas, a Unidade Básica de Saúde do bairro Cascalho permanecerá fechada até a conclusão da limpeza e reparos necessários. Até as 10h30 de hoje (29), trechos das rodovias estaduais AMG-160 e MG-030 próximos ao município estavam interditados devido a deslizamentos de encostas.

Nas redes sociais, o prefeito de Nova Lima, Vitor Penido, comentou que, desde a última quinta-feira (23), a cidade passa por “momentos bastante difíceis”. “Com certeza, nos últimos 50 anos, nunca teve tanta água jogada sobre o nosso solo”, disse Penido, poucas horas antes da primeira morte registrada no município. O prefeito aproveitou para pedir a ajuda dos cidadãos. “Tem previsão de chuva para hoje [ontem] e amanhã [hoje]. Peço que a população nos ajude e, qualquer coisa, entre em contato com a Defesa Civil ou até mesmo com o nosso gabinete. E que não jogue saco de lixos nas ruas fora do horário de coleta, porque este é um dos motivos para as bocas de lobo ficarem entupidas, acabando por provocar enchentes em alguns lugares”.

No estado, os primeiros óbitos ocorreram entre os dias 23 e 24 últimos. Ou seja, há apenas sete dias, no máximo. O que significa uma média diária de 7,5 óbitos causados por deslizamentos de terra; desmoronamento de construções; alagamentos; transbordamento de rios e quedas de árvores. Este número, no entanto, já pode ser maior, pois há duas pessoas desaparecidas, uma em Conselheiro Lafaiete, outra em Tabuleiro.

De acordo com o boletim divulgado pela Defesa Civil estadual às 10 horas de hoje, o maior número de vítimas fatais foi registrado em Belo Horizonte, onde o total de mortos já chega a 13. Em seguida vem Betim (6); Ibirité e Luisburgo (5, em cada). Quarenta e duas pessoas morreram soterradas e 11 afogadas ou por outras causas, após serem arrastadas pelas águas.

Coordenadoria de Defesa Civil Estadual de Minas Gerais
Coordenadoria de Defesa Civil Estadual de Minas Gerais

O último levantamento indica que há, em todo estado, 38.703 pessoas desalojadas, ou seja, que tiveram que deixar suas casas e, provisoriamente, se alojar na casa de parentes ou amigos. Outras 8.157 pessoas, sem ter para onde ir, buscaram abrigos, na maioria das vezes improvisados em escolas ou igrejas.

Previsão

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) prevê que, hoje, o céu continuará nublado, com chances de pancadas de chuva e trovoadas em boa parte de Minas Gerais. A Zona de Convergência do Atlântico Sul, fenômeno que está favorecendo as condições para a ocorrência de temporais no estado começa a perder força. Por isso, é esperado chuvas menos intensas, a começar pelas regiões Norte e Leste de Minas – embora a precipitação possa se intensificar nas regiões Oeste e Sul.

As Defesas Civis pedem que, em caso de chuvas fortes, as pessoas que moram em áreas propensas a alagamentos deixem suas casas e procurem um lugar seguro. Além disso, as pessoas em geral devem evitar transitar ou encostar carros próximos a encostas; monitorar permanentemente as construções erguidas em ou perto de encostas, ficando atentas ao surgimento de trincas ou rachaduras e evitar movimentar a terra durante o período em que o solo estiver encharcado. Além disso, é possível pedir ajuda à Defesa Civil em caso de dúvidas ou de perigo iminente.