Suspeito de estuprar, matar criança e esconder corpo embaixo da própria cama é esquartejado após ser retirado de delegacia; veja o vídeo

Homem teve corpo queimado em fogueira na cidade de Fonte Boa.

Suspeito foi agredido, esquartejo e queimado em uma fogueira em frente à delegacia de Fonte Boa — Foto: Reprodução

Suspeito foi agredido, esquartejo e queimado em uma fogueira em frente à delegacia de Fonte Boa — Foto: Reprodução

Um homem de 28 anos suspeito de estuprar, matar e esconder o corpo de uma criança de 10 anos embaixo da própria cama foi esquartejado após ser retirado da delegacia onde estava preso na cidade de Fonte Boa, interior do Amazonas. De acordo com Secretaria de Segurança Pública, centenas de pessoas invadiram a unidade policial e cometeram o crime. O caso ocorreu na noite de sexta-feira (17). Duas pessoas ficaram feridas no tumulto. A informação é do portal G1.

Vídeos que circulam em redes sociais mostram atos de vandalismo. As imagens mostram o suspeito sendo agredido, esquartejo e queimado em uma fogueira. Na ação, a delegacia ficou depredada e três viaturas foram destruídas. (Assista abaixo)

O delegado Orlando Amaral informou que a polícia precisou fazer disparos na tentativa de conter a situação. Duas pessoas foram atingidas. Um delas, ainda conforme o delegado, está em estado grave.

A Secretaria de Segurança Pública disse que foram enviados reforços da Polícia Militar de Tefé e Jutaí para a cidade, ainda na noite de sexta, na tentativa de conter o tumulto. No entanto, populares conseguiram invadir a delegacia.

Delegacia de Fonte Boa, onde suspeito de estupro estava preso, foi destruída — Foto: Reprodução
Delegacia de Fonte Boa, onde suspeito de estupro estava preso, foi destruída — Foto: Reprodução

“Na manhã de hoje, policiais civis e Militares de Manaus estão sendo enviados, de Manaus, de avião para ações de localização e prisão dos autores do linchamento do suspeito e da depredação da unidade policial e de viaturas da Polícia Militar”, informou, em nota, a SSP na manhã deste sábado.

Criança estuprada e morta

A criança de 10 anos foi morta depois de ter sido abusada sexualmente. O caso ocorreu na quinta-feira (16). O corpo da menina foi localizado embaixo da cama do suspeito pela companheira dele. A Polícia Civil informou que o homem havia sido preso por estupro seguido de morte e ocultação de cadáver.

De acordo com as investigações, o crime ocorreu casa do suspeito. O investigador Mário Alves, gestor da 55ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) informou que a menina costumava ir à casa do homem ajudar a fazer bolos e biscoitos com a companheira dele, para venderem na cidade.

No dia do crime, a vítima estava com o suspeito na residência e, conforme a polícia, ele teria oferecido R$ 40 à criança em troca de relação sexual. A vítima tentou fugir, mas foi violentada.

Segundo Alves, após o ato, o suspeito aplicou um golpe chamado “Mata-leão” na criança. Em seguida, ele asfixiou a menina utilizando uma corda. Ela morreu no local.

Ainda de acordo com a polícia, o infrator deixou o corpo da vítima embaixo da cama. Cerca de quatro horas depois, a companheira do homem entrou no quarto e encontrou o corpo. Ele, em seguida, acionou a polícia.

Violência no interior
Em 2018 casos de revolta popular também chocaram pela violência. Em um deles um grupo de moradores invadiu um quartel da PM, linchou e queimou o corpo um homem em uma fogueira. Eles estava preso suspeito de matar e estuprar uma adolescente em Borba.

Em agosto do mesmo ano, uma pessoa morreu durante uma tentativa de invasão a uma delegacia no município de Caapiranga. Imagens divulgadas em redes sociais registraram o momento da tentativa de invasão, quando moradores do local atiram pedras em direção à delegacia. O grupo pretendia agredir uma mulher suspeita de envolvimento no desaparecimento de um homem.

Em fevereiro de 2017, Lucinete Gama, de 30 anos, suspeita de incendiar uma residência e causar a morte a de uma criança de dois anos, foi agredida e lançada viva em um carro em chamas. Ela estava presa na delegacia de Novo Aripuanã. Moradores incendiaram a delegacia.

Também em 2017, mas no mês de julho, outra delegacia dessa vez em Tonantins foi depredada, após moradores tentarem invadir para agredir dois suspeitos de homicídio.