Secretaria confirma 4ª morte por contaminação de cerveja em Minas

Mulher de 60 anos, moradora de Pompéu, no interior do Estado, morreu em dezembro mas Governo de Minas só foi notificado nesta semana.

A Secretaria de Estado de Saúde confirmou na tarde desta quinta-feira (16) a quarta morte causada por intoxicação após consumo de cerveja contaminada em Minas Gerais. Trata-se de uma moradora de Pompéu, a 174 km de Belo Horizonte, de 60 anos, que morreu no fim de dezembro. A informação é do portal R7.

A prefeitura da cidade comunicou o óbito ao Governo do Estado no início desta semana. Os sintomas apresentados por Maria Augusta eram semelhantes aos de outros pacientes com a síndrome nefroneural causada pela intoxicação.

Mais cedo, a Polícia Civil já havia confirmado a morte de Milton Pires, de 89 anos. Ele estava internado em um hospital particular em Belo Horizonte e morreu durante a madrugada. As duas mortes se somam aos óbitos de Antônio Márcio Quintão de Freitas, de 68 anos, que também estava internado na capital mineira, e de Paschoal Demartini Filho, que morreu em Juiz de Fora.

A secretaria também atualizou o número de casos notificados que passou de 17 para 18. Desses, quatro casos foram confirmados e o restante está sob investigação. Doze casos foram registrados em Belo Horizonte. Os outros seis, em Nova Lima, Pompéu, São João Del Rei, São Lourenço, Ubá e Viçosa.

Contaminação

Além das cervejas Belorizontina e Capixaba outros seis rótulos da Backer foram contaminados com substâncias tóxicas que podem estar por trás da intoxicação.

Análises do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) identificaram a presença das duas substâncias tóxicas nas marcas: Capitão Senra, Pele Vermelha, Fargo 46, Backer Pilsen, Brown e Backer D2. Até o momento, as análises laboratoriais realizadas pela pasta indicam 21 lotes contaminados.