Gêmeas siamesas nascem interligadas pelo peito em MS; médicos esperam por exames para definir separação

No mundo, somente 18% dos gêmeos nessa condição sobrevivem. Meninas nasceram com 35 semanas de gestação e estão em estado grave na Santa Casa de Campo Grande (MS).

Gêmeas siamesas nasceram na última sexta-feira (3), na Santa Casa de Campo Grande (MS) — Foto: ASCOM Santa Casa Campo Grande/Divulgação

Gêmeas siamesas nasceram na última sexta-feira (3), na Santa Casa de Campo Grande (MS) — Foto: ASCOM Santa Casa Campo Grande/Divulgação

Um caso raro chamou a atenção e mobilizou os profissionais da maternidade da Santa Casa de Campo Grande, na última sexta-feira (3). Eles realizaram um parto de gêmeas xifópagas (popularmente conhecido como “siamesas”), incidência ocorrida em apenas 1 para cada 100 mil nascidos vivos. As informações são do portal G1.

Segundo o hospital, o procedimento foi bem-sucedido. As duas bebês, Maria Julia e Luna Vitória, nasceram com 35 semanas, interligadas pelo tórax e parte superior do abdômen, pesando juntas 3,890 quilos. A mãe das gêmeas, Alice Aparecida Silva Gil, contou a Santa Casa que descobriu da situação das filhas no primeiro ultrassom e disse já saber de que se tratava de um caso complicado.

Em geral, no mundo, somente 18% dos gêmeos nessa condição sobrevivem. Ainda de acordo com a Santa Casa, por enquanto as meninas estão sendo monitoradas e realizando baterias de exames para, após esta etapa, definirem o que fazer no caso. A decisão pela cirurgia de separação depende da anatomia interna em relação aos órgãos e de que forma são compartilhados.

“São casos raros que precisam ser estudados minuciosamente antes de tomarmos qualquer decisão. As gêmeas estão sendo acompanhadas por toda equipe multiprofissional e recebendo o melhor tratamento para elas no momento”, explicou o neonatologista do hospital, Walter Perez.
O hospital de Campo Grande informou que as gêmeas seguem em estado grave, porém com pressão arterial estável. Elas permanecem internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal e respiram com o auxílio de aparelhos.

Durante a gestação, a mãe Alice foi internada na Santa Casa por quatro vezes, com complicações na gravidez. Após o parto, a esperança em ver as gêmeas bem foi renovada. “Sou muito grata a toda a equipe que me atendeu. Só de elas estarem vivas até agora já é uma vitória, mas em breve queremos que elas fiquem fortes para levá-las logo para casa”, contou à equipe do hospital.

Nos últimos seis anos, este é o terceiro caso de gêmeos siameses atendido na Santa Casa de Campo Grande, referência em maternidade no estado de Mato Grosso do Sul.

Mãe de gêmeas siamesas conhece as filhas após parto na Santa Casa de Campo Grande (MS) — Foto: ASCOM Santa Casa Campo Grande/Divulgação
Mãe de gêmeas siamesas conhece as filhas após parto na Santa Casa de Campo Grande (MS) — Foto: ASCOM Santa Casa Campo Grande/Divulgação