Filho de coronel é liberado de blitz e sai dirigindo viatura da PM no MA

Caso é investigado pela própria Polícia Militar e envolve diretamente o Coronel Terra; filho do militar não teria nem habilitação para dirigir veículo.

Viatura da Polícia Militar do Maranhão — Foto: João Ricardo / G1 Maranhão

Viatura da Polícia Militar do Maranhão — Foto: João Ricardo / G1 Maranhão

A Polícia Militar do Maranhão e a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA) investigam uma denúncia sobre a liberação do filho do coronel da PM Marco Antônio Terra de uma blitz na Avenida dos Holandeses, em São Luís. A investigação busca esclarecer também o fato de que o rapaz saiu da barreira policial conduzindo uma viatura da própria PM, que estava sem o adesivo da corporação. As informações são do G1.

De acordo com o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, e com o comandante geral da PM, coronel Ismael Fonseca, o caso está sendo devidamente apurado.

O fato só chegou ao conhecimento do Comando Geral da Polícia Militar e da Secretaria de Segurança Pública nesta semana, mas aconteceu no último dia 4 de dezembro quando ocorria uma blitz de rotina na Avenida dos Holandeses, no bairro Ponta d’Areia, na capital.

Na ocasião, o filho do coronel, que não teve a sua identidade revelada, estava dirigindo uma caminhonete quando foi abordado pelos policiais. Ao apresentar os documentos, os policiais descobriram que o filho do coronel não possuía Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Além disso, os policiais que faziam a blitz descobriram que o veículo que ele dirigia pertencia a própria Polícia Militar, pois o adesivo que deveria estar colado no carro havia sido arrancado.

Os policiais militares já estavam prontos para encaminhar o filho do coronel para a delegacia para que ele se explicasse quando ele foi liberado e saiu dirigindo o carro da PM que estava descaracterizado.

Agressão no quartel da PM

Em 2017, o coronel Terra também foi alvo de investigação ao agredir uma soldado da Polícia Militar dentro do Comando Geral da corporação em São Luís.

Segundo o boletim de ocorrência registrado pela delegacia, as agressões teriam sido cometidas pelo coronel Marco Antônio Terra, que de acordo com a delegada titular Wanda Moura, estaria em um relacionamento amoroso com a vítima.

Até hoje o inquérito deste caso não foi divulgado e não há informação de qualquer punição contra o coronel Terra.