Preso recebe tornozeleira eletrônica, atravessa a rua, invade casa, rouba e mata idosa

Crime aconteceu nesta quarta-feira (20), em Curitiba.

(Foto: Rodrigo Cunha / Tribuna do Paraná)

(Foto: Rodrigo Cunha / Tribuna do Paraná)

Um ex-presidiário de 25 anos não precisou caminhar mais de 50 metros antes de cometer o primeiro crime após colocar tornozeleira eletrônica e ganhar liberdade provisória, nesta quarta-feira (20), em Curitiba.

O suspeito de latrocínio foi preso pela Polícia Militar circulando próximo da residência onde foi encontrado o corpo de uma senhora de 72 anos, com sinais de estrangulamento, na Avenida João Gualberto, no bairro Alto da Glória, uma região de intenso movimento de carros, em frente à Vara de Execuções Penais.

O corpo da senhora, que era cadeirante, não era casada e nem tinha filhos, foi encontrado pelo cuidador dela, que mora em uma edícula nos fundos da residência, por volta das 9h. Ela foi estrangulada com um moletom que pertencia a outra pessoa. A família notou a falta da TV, do celular e de joias da vítima.

Ao verificar o sistema de monitoramento de tornozeleiras do Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (Depen), a PM constatou que o suspeito esteve na casa da idosa. Ele teria entrado no local por volta de 8h, permanecendo ali por 20 minutos. Pouco antes, ele tinha saído da prisão e passou por uma audiência na Vara de Execuções Penais – que fica em frente à casa do idosa – para colocar a tornozeleira. O rapaz tem passagens pela polícia por crimes contra o patrimônio, entre eles, roubo.

A delegada Camila Cecconello, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil, disse que o suspeito foi preso em flagrante pelo crime de latrocínio e encaminhado à Central de Flagrantes de Curitiba. Além dele, o cuidador da idosa, um jovem de cerca de 20 anos, também foi conduzido à delegacia, para prestar depoimento. A família informou que a vítima guardava em casa joias avaliadas em aproximadamente R$ 3 milhões.

“Crime de ousadia pela localização, em rua bastante movimentada, na frente da Vara de Execuções Penais. Local sem cerca eletrônica, não era local de difícil acesso. Local bem movimentado e requer ousadia por parte do assaltante”, afirmou a delegada.

A comerciante Ivone Lisboa conhecia a vítima há mais de 18 anos (Foto: Rodrigo Cunha / Tribuna do Paraná)
A comerciante Ivone Lisboa conhecia a vítima há mais de 18 anos (Foto: Rodrigo Cunha / Tribuna do Paraná)

“Muito triste”

Dona de uma lavanderia vizinha da casa, Ivone Lisboa, 60 anos, afirma que a vítima era uma senhora querida por todos os vizinhos. “É muito triste. Eu e todo mundo aqui gostava muito dela. Ela não esquecia da gente no Natal, na Páscoa”, afirma a comerciante. “Perdemos uma pessoa maravilhosa”, resume.