MPF cobra R$ 1,4 mi do INSS por atraso em análise de benefícios

Segurados estão esperando mais de seis meses por respostas do instituto. Prazo legal é de 30 dias.

(Foto: Arquivo/ Agência Brasil)

(Foto: Arquivo/ Agência Brasil)

O Ministério Público Federal (MPF) ingressou na Justiça Federal em ação contra o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O objetivo é garantir que os requerimentos de benefícios previdenciários sejam analisados em, no máximo, 30 dias.

Investigação realizada pelo MPF em Juazeiro do Norte (CE) demonstrou que o INSS tem levado mais de seis meses para analisar pedidos de aposentadorias e de outros benefícios.

Na ação, o MPF pede que a Justiça determine que o primeiro pagamento dos benefícios seja executado em até 45 dias, contados a partir da apresentação do requerimento pelo cidadão. Tanto o prazo para análise quanto para pagamento estão fixados em leis que normatizam o trâmite de processos administrativos e no instituto.

O MPF defende que os benefícios sejam automaticamente implementados quando for ultrapassado o prazo de 30 dias nos casos em que o motivo do atraso não for atribuído ao segurado requerente.

O procurador Rafael Rayol, autor da ação, pediu que o INSS pague R$ 1,4 milhão de indenização pelos danos extrapatrimoniais difusos.

Durante as investigações, ficou constatado ainda falha na ordem cronológica de tramitação e conclusão de processos concessórios. Foram identificados processos que foram concluídos no mesmo dia em que deram entrada, enquanto a maioria leva meses em análise.

“Essa falha parece estar atingindo mais diretamente os segurados que requerem aposentadoria por idade rural, os quais vêm tendo a análise de seus requerimentos preteridos em detrimento de requerimentos formulados por segurados urbanos”, aponta o procurador.

Rayol considera “inadmissível” que uma entidade pública, constituída com o objetivo de garantir proteção social aos trabalhadores, em caso de eventos que provocam redução ou supressão de capacidade laborativa, esteja consumindo mais de seis meses na análise de requerimentos.

VEJA TAMBÉM